Celebrar o amor

DespedidaSilvia (4)

Já vos comentei no post anterior que para mim o amor pode ter muitas formas e feitios, importante é celebrá-lo. Quis o destino que tivéssemos de planear duas despedidas de solteira de seguida, e foi um desafio garantir que cada uma delas tivesse a sua própria identidade 🙂 E foi assim que, numa (não muito) quente tarde de Agosto, seis amigas celebraram o amor e a amizade, pois “a Sílvia vai casar e nós vamos festejar!”.

DespedidaSilvia (15)

Isto levou-me a uma breve pesquisa sobre as origens desta celebração, que como seria de esperar, remontam à Grécia Antiga e às festas em honra a Baco, deus grego da folia (e do vinho, eu sei, eu sei…). Outras fontes relacionam esta festa com as celebrações do equinócio da Primavera, tão associada à festa da fertilidade. Uma outra fonte remonta a uma história de amor alemã durante a Idade Média, onde um jovem muito pobre, não podendo pagar o dote de sua amada, foi rejeitado pela rica família da noiva. O amor do casal era tão grande que os seus amigos, ao saberem da situação, decidiram celebraram o seu amor, numa grande festa. Conseguiram reunir, na sua humilde casa, móveis, utensílios e outros objectos básicos necessários para poder viverem dignamente. Esta festa deu origem, mais tarde, às despedidas de solteiro. Hoje em dia, esta é uma oportunidade para celebrar com os amigos a entrada numa nova etapa na vida. Deixo-vos com as bonitas fotografias da Sofia desta celebração do amor! ❤

DespedidaSilvia (24)

DespedidaSilvia (33)

DespedidaSilvia (23)

DespedidaSilvia (28)

blog

DespedidaSilvia (20)

DespedidaSilvia (21)

DespedidaSilvia (11)

DespedidaSilvia (91)

DespedidaSilvia (111)

Anúncios

2 thoughts on “Celebrar o amor

  1. Sem dúvida que o amor deve ter diferentes formas e feitios…o meu tem a forma de um órgão mágico (dixit Eurico A. Cebolo)…esse mesmo, em forma de bolsa, situado logo acima do duodeno, um substantivo muito mais pomposo e erudito que intestino delgado, claro. Nunca percebi o porquê do coração levar a melhor quanto a órgão predileto do amor, ora essa, o coração é uma pasmaceira, tum tum – tum tum desde a sexta semana de gestação até ao derradeiro dia, vaya pasmaceira, nem a sedimentação no Ordovícico Médio centro-ibérico foi tão monótona. O coração está para órgão do amor um pouco como o golfinho, koala ou panda estão para “animais fofinhos”, fofinhos o tanas, obviamente que os nossos animais favoritos deviam ser a galinha, o porco, a vaquinha, esses sim presentes no nosso dia-a-dia, que tanta felicidade nos proporcionam desde as sopinhas que nos introduziram na dieta aos 6 meses de vida – caso tenham sido amamentados – ou talvez mesmo um pouco antes. Amor..oh sim, amor é o que eu sinto cada vez que o bolo alimentar destas iguarias inicia o seu percurso digestivo no meu corpo de meia-idade. Momento favorito do dia? O “Same Penis Forever”!

    Felicidades Sílvia 😉 Vai lá fazer uns bebés para organizarmos o baby-shower (e para alegria da tia Catarina)

  2. Criativo e delicioso são as palavras que descrevem este brunch e sessão fotográfica. Obrigada as duas Ana e Sofia :)💕💕💕
    P.S. Sofia tens toda a razão, Sílvia vai la fazer sobrinhos com o Same Penis Forever 😂😘😘😘

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s